Sita

Gerenciamento de fluxo de viajantes, o autoatendimento em cada etapa e a biometria são algumas das tecnologias usadas para agilizar com eficácia o número crescente de viajantes

A provedora de TI global SITA revelou que os aeroportos estão investindo em tecnologia para eliminar as filas de espera e controlar melhor o crescente número de passageiros. O gerenciamento de fluxo de viajantes, o autoatendimento em cada etapa e a biometria são algumas das tecnologias usadas para agilizar com eficácia o número crescente de passageiros nos aeroportos. Estudo da empresa realizado em parceria com o Conselho Internacional de Aeroportos (ACI), mostra que 42% dos aeroportos têm monitoramento de tempo de espera, um salto de 31% em 2017. As soluções mais recentes para gerenciamento de fluxo de passageiros nos terminais usam tecnologias inteligentes como análise preditiva para antecipar congestionamentos antes que eles ocorram. Os aeroportos que utilizam essas ferramentas também pretendem compartilhar as informações com seus passageiros. Até 2021, 58% planejam fornecer aos viajantes notificações de tempo de espera para seus dispositivos móveis. Este é um aumento de 17% até os dias atuais. A percepção da SITA mostra que os quiosques de check-in já são a norma, com 88% dos aeroportos funcionando atualmente e 95% esperando isso nos próximos três anos. O autoatendimento para bagagem também é um lugar comum, com mais de 50% de mala despachada hoje e 84% planejando oferecê-lo até 2021 e até então 78% planejam despacho de bagagem automático. A biometria também está sendo incorporada na evolução do autoatendimento nos aeroportos do mundo. Nos próximos três anos, 77% deles estão planejando programas importantes ou P & D em gerenciamento de ID biométrico. O estudo da SITA mostra que o gasto geral com TI em aeroportos deve chegar a US$ 10 bilhões em 2018, acima dos US$ 8,6 bilhões investidos em 2017. Com esse aporte maior, é interessante ver as prioridades dos aeroportos. Os processos de segurança cibernética e autoatendimento estão no topo da lista, com 95% dos principais aeroportos planejando grandes programas de pesquisa e desenvolvimento nessas áreas até 2021. Junto com isso, 86% têm planos para programas de business intelligence e 85% para aplicativos para serviços móveis e programas de infraestrutura de uso comum.