A saga da colombiana Ultra Air

 

Em 26 de novembro de 2020, seu fundador, William Shaw, teve uma audiência pública com a Aerocivil para apresentar seus argumentos para a constituição da companhia aérea.

Contudo, em 12 de fevereiro de 2021, a autoridade adiou a decisão e solicitou mais informações à empresa. Shaw declarou que a determinação faz parte do processo e que eles têm certeza de que entrarão em operação no final do terceiro trimestre do ano.

A Aerocivil quer saber que avião vão usar: o Airbus A320 ou o Boeing 737 Max, e segundo Shaw “eles querem que tenhamos os recursos financeiros, mas nesta fase não temos que mostrar a disponibilidade de recursos. Nossos investidores são muito discretos e não querem dizer quem são. Temos até 27 de abril para fazer isso.”

“Sempre dissemos que teríamos a certificação entre junho e julho para começar a voar em agosto. Agora as datas correram um pouco, então começaríamos entre setembro, outubro ou novembro. Mas vamos começar este ano” afirmou o empresário.

“A Ultra quer chegar com taxas 20% abaixo do que está disponível atualmente, quanto aos aviões, a Colômbia é um ambiente Airbus”, disse Shaw. “As grandes companhias aéreas operam com o Airbus, então os mecânicos, as peças e as pessoas conhecem o Airbus, mas a Boeing tem 5% a mais de assentos, o que é uma grande vantagem. São 450 aeronaves novas prontas para operar. Então são muito baratos, mas você tem que escolher muito bem. Temos 15 dias para tomar a decisão.”

Quando questionado sobre a quantidade de passageiros a serem transportados no primeiro ano, o otimista William Shaw respondeu: 827 mil, e no segundo ano estimamos ter cinco milhões.

Foto: Divulgação

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn