O CEO da Airbus, Gauillaume Faury, permanece calado sobre se a empresa começou a trabalhar no desenvolvimento de uma versão  cargueira do A350, embora ele tenha confirmado na quinta-feira que o fabricante europeu quer acabar com o domínio da Boeing no mercado de aeronaves de carga, um segmento no qual ele admitiu que a Airbus “tradicionalmente tem sido fraca” – particularmente com seus widebodies.

“Não gostamos da ideia de permanecermos fracos nesse segmento no futuro. Acho que temos o produto certo para ser mais agressivo nesse mercado”, disse Faury, falando durante a apresentação dos resultados do primeiro trimestre da Aribus. Ele se recusou a especificar a qual modelo widebody da Airbus ele estava se referindo – A330, A350 ou A380 – e também permaneceu vago sobre o prazo. “Quando se trata ainda não está definido”, reconheceu, ao mesmo tempo em que ressalta que acredita que “não é saudável ter apenas um ator exclusivamente em um segmento que é realmente muito significativo e tem resistido bem à pandemia”.

A Airbus começou a avaliar o interesse do cliente em uma versão potencial para cargueiro de seu avião de passageiros A350. O A350-950F proposto caberia entre o A350-900 e o A350-1000 maior. O desenvolvimento do derivado do A350 para uso em cargueiros custaria cerca de US$ 2 a US$ 3 bilhões, e a Airbus precisaria garantir pedidos de 50 aeronaves antes de lançar o programa.

Foto: Airbus