Brasil participa da 39ª Assembleia da OACI

Pauta está centrada em estratégias do setor para redução das emissões de gases responsáveis pelo efeito estufa

Uma delegação brasileira integrada por membros do Ministério dos Transportes, Portos e Aviação Civil, está em Montreal, no Canadá, para participar da 39ª Assembleia da Organização Internacional de Aviação Civil (OACI). O evento tem programação até o próximo dia 7 de outubro e reúne representantes de 191 países com o objetivo de traçar estratégias para reduzir as emissões de CO₂ provenientes da aviação, gás que é um dos principais causadores do efeito estufa. Isso inclui a criação de um novo padrão de certificação de aeronaves, o uso da tecnologia para otimização da trajetória de voos e a melhoria da eficiência do combustível de aviação. O setor é responsável atualmente por mais de 2% do total das emissões. A Secretaria de Aviação Civil vinculada ao Ministério dos Transportes, Portos e Aviação Civil, vai apresentar cinco documentos para contribuir com a discussão de grandes temas da aviação, debatidos em sessões de trabalho com o objetivo de aprimorar normas e procedimentos para o setor no mundo. Os temas estão ligados a áreas como planejamento, facilitação do transporte aéreo, avaliação dos serviços aeroportuários e drones. As mesas redondas e apresentação da experiência de cada país ajudam os membros da ICAO na aplicação das Normas e Metodologias Recomendadas pela Organização, conhecida por SARPs (Standards and Recommended Practices), que balizam a atuação das autoridades de aviação civil em todo o mundo. Para contribuir na redução das emissões de gases responsáveis pelo efeito estufa, a Secretaria de Aviação Civil publicou em julho deste ano, a segunda edição do Plano de Ação para Redução das Emissões de Gases de Efeito Estufa da Aviação Civil Brasileira. O documento apresenta uma série de ações que são e serão adotadas pelo Brasil, que contribuirão para o desenvolvimento do setor com o menor impacto ao meio ambiente. O plano sugere, entre outras medidas, o desenvolvimento tecnológico de aeronaves, como melhorias aerodinâmicas, eficiência de motores e uso de materiais mais leves. Ressalta ainda ações de pesquisa e desenvolvimento para a criação de uma cadeia produtiva de biocombustível de aviação no Brasil. Mais informações no portal www.aviacao.gov.br.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn