Delta

Retirada acelerará a estratégia da empresa em simplificar e modernizar a frota

A companhia aérea Delta Air Lines planeja aposentar seus 18 aviões Boeing 777-200 até o final de 2020, como resultado da pandemia do COVID-19. A retirada acelerará a estratégia da empresa em simplificar e modernizar a frota, continuando a operar aeronaves mais novas e mais econômicas. No mês passado, a transportadora norte-americana anunciou planos para acelerar a retirada dos jatos MD-88 e MD-90 até junho. Desde o início da crise atual, a Delta já estacionou cerca de 650 aviões e considerou as aposentadorias antecipadas para reduzir a complexidade e custo operacional. O Boeing 777-200 entrou na frota pela primeira vez em 1999 e cresceu para 18 exemplares, incluindo dez da variante 777-200LR de longo alcance, que chegou em 2008. Na época, a aeronave estava posicionada de forma única para voar sem escalas entre Atlanta e Joanesburgo e de Los Angeles para Sydney, além de outros destinos distantes. A Delta continuará usando a frota de aeronaves Airbus A350-900, que consomem 21% menos combustível por assento do que os 777 que substituirão.