Gol divulga projeções para os próximos 90 dias

Companhia mudou por completo sua atuação no Brasil, deixando de operar para vários destinos domésticos em razão da queda na demanda decorrente da pandemia do COVID-19

A companhia aérea Gol mudou por completo sua atuação no Brasil, deixando de operar para vários destinos domésticos em razão da queda na demanda decorrente da pandemia do COVID-19. Dessa forma, a empresa passou a oferecer apenas 50 voos diários. Na atualização ao investidor, a transportadora projeta os próximos passos a serem tomados em 90 dias. Devido a grande redução nas operações, a empresa viu a necessidade de retirar 120 aeronaves da malha aérea, mantendo a maior parte deles em terra durante os meses de abril e maio. Com a decisão, a companhia espera registrar ineficácia nas proteções de preço (hedge) de combustível como um item excepcional em resultados financeiros do primeiro e segundo trimestre do ano. A empresa estima que a despesa financeira extraordinária seja de R$ 80 milhões no primeiro, subindo para R$ 200 milhões no segundo trimestre. A operadora também possui um sólido balanço patrimonial e a liquidez total em 31 de março de 2020 foi R$ 4,3 bilhões. A liquidez totalizou quase R$ 6 bilhões, incluindo a despesa antecipada de R$ 1,7 bilhão, reserva de manutenção e depósitos em garantia. A empresa também ressaltou que possui, atualmente, R$ 1,5 bilhão em ativos livres de ônus e sem dívidas em seu caixa. Por conta da crise pela qual a aviação em geral vem passando, a Gol anunciou que irá suspender as projeções financeiras para 2020 e 2021, até que o ambiente operacional volte ao normal. Enquanto isso, a companhia se diz focada em buscar economia de custos para proteger os empregos e preparar-se para o retorno ao serviço normal quando a situação melhorar. Foto: Alex Sandro V. Barbosa

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn