IATA: Novas medidas restritivas prejudicam a recuperação

A International Air Transport Association (IATA) espera que a temporada de fim de ano seja um catalisador para a recuperação das companhias aéreas em todo o mundo; no entanto, novas medidas restritivas dos governos, na tentativa de controlar a disseminação do COVID-19, prejudicaram as previsões, disse Alexandre de Juniac, diretor-geral da entidade.

“Embora ainda acreditemos que as companhias aéreas terão fluxos de caixa positivos em 2021, as previsões de curto prazo são sombrias. Em vez de um aumento para o período de férias de fim de ano, recebemos mais restrições. Os governos fecharam as fronteiras em uma resposta tola contra a mutação do vírus”, indicou.

O Canadá, por exemplo, vem solicitando desde a semana passada que todos os viajantes internacionais apresentem um teste COVID-19 negativo, sem suspender a quarentena obrigatória de duas semanas. “Parece que eles, assim como vários governos estão procurando alcançar um mundo onde não haja mais o covid-19. Esta é uma tarefa impossível, mas também terá consequências graves”, acrescentou De Juniac.

De acordo com Juniac, entre as consequências está a não recuperação das economias das viagens e do turismo, os empregos vão continuar a desaparecer e o impacto na saúde mental das pessoas, devido ao encerramento total, vai continuar a crescer. A IATA reiterou que é necessária uma visão mais equilibrada em que o teste em massa para COVID-19 é uma substituição para quarentenas, em que a distribuição da vacina é ampla o suficiente para atingir a população.

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn