Icelandair envia um Boeing 767 para a Antártica

A pandemia gerou alguns voos bastante diferentes, com aeronaves sendo vistas em muitos locais onde normalmente não voariam. Alguns voos foram para repatriações, alguns para cargas e outros para evitar uma escala em outro lugar. Isso até levou à quebra do recorde do voo mais longo, apenas para ser quebrado novamente. No início de fevereiro, a Lufthansa voou para as Ilhas Malvinas para levar pesquisadores alemães à Antártica em um navio.

Para voar até a Antártica, a Icelandair está usando um dos seus Boeing 767. No entanto, voar da borda do Círculo Polar Ártico ao outro extremo do mundo não acontecerá com apenas um tanque de combustível. A aeronave voará pela primeira vez para a Cidade do Cabo, na África do Sul, a uma distância de 11.450 km.

Ao chegar à Cidade do Cabo, a aeronave receberá uma equipe de pesquisadores noruegueses e de lá, ele continuará até a Troll Research Station, uma pista de gelo na Antártica. A aeronave tem seis pilotos, 13 comissários de bordo e um mecânico.

Em 2015, a Icelandair foi a primeira a pousar um jato comercial no continente gelado. O voo ocorreu em 26 de novembro para provar que aeronaves comerciais poderiam pousar em uma pista de gelo.

A Antártica hospeda regularmente um Airbus A319 pertencente ao Programa Antártico Australiano. A Qantas também opera voos charter panorâmicos sobre o continente. A Austrália está procurando construir uma nova pista pavimentada no continente.

Foto: Divulgação

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn