Novas preocupações da FAA podem atrasar o retorno ao serviço do 737 MAX

 

Seguindo os passos da Federal Aviation Administration (FAA) que emitiu uma Diretriz de Aeronavegabilidade relativa à corrosão potencial que afeta os motores 737 MAX da Boeing, o fabricante também está sendo solicitado a fornecer prova de que vários subsistemas na aeronave não seriam afetados pelos problemas provocados pela longa parada da aeronave

 

É um revés para o programa Boeing 737 MAX e para as companhias aéreas que operam o avião. Relatórios sugeriram que as companhias aéreas esperavam boletins de serviço abordando as questões de aterramento em breve. Isso agora parece improvável de acontecer.

 

Depois de liberar a aeronave para voar em novembro de 2020, após um encalhe de vinte meses, este segundo encalhe (embora não impactando toda a frota do 737 MAX) está colocando pressão adicional sobre a Boeing.

 

De acordo com a FAA, houve vários relatos de falhas na unidade do subsistema de pressão (PSS) devido à corrosão após o armazenamento. Isso pode levar à redução do empuxo. Embora não seja imediatamente perigoso, requer atenção dos operadores.

 

Foto: Divulgação

 

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn