O Airbus A321XLR vai desafiar o modelo hub & spoke

 

Para uma companhia aérea como a Emirates, que cresceu em um hub, o aumento dos aviões de um corredor e longo alcance pode ser visto como uma ameaça a esse modelo de negócios. Aeronaves como o A321XLR abrirão mais oportunidades para as companhias aéreas operarem ponto a ponto, prejudicando o tráfego nas rotas aéreas centrais.

Mesmo antes da crise do COVID, especialistas da indústria de aviação previam a morte do modelo hub and spoke. À medida que os desafios de baixo custo surgiam e as aeronaves se tornavam mais eficientes, as companhias aéreas encontraram maneiras de criar novas oportunidades, capitalizando em rotas não atendidas ou mal atendidas. Alguns previram que esse era o futuro da indústria e que o modelo de hub estava desatualizado.

Sir Tim Clark, presidente da Emirates, admite que o modelo de hub não é para todos os aeroportos e rotas. Ele observou que o aumento de narrowbodies de longo alcance excepcionalmente capazes poderia certamente ver um aumento na atividade ponto a ponto.

As companhias aéreas já estão fazendo planos para voar em aeronaves narrowbody em rotas cada vez mais longas. As operadoras canadenses têm horários para cruzar o Atlântico com o 737 MAX, enquanto a JetBlue trará seu A321LR de Boston e Nova York para Londres antes do final do verão europeu.

Com aeronaves como o Airbus A321XLR no futuro da indústria, o potencial para rotas cada vez mais longas e ambiciosas com esses jatos ágeis está aumentando. No entanto, a Emirates continuará sendo uma operação hub and spoke, sem planos de incorporar operações narrowbody em um futuro previsível.

Foto: Airbus

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn