Teca de Goiânia oferece ampla estrutura para cargas fármaco-químicas

Espaço conta com estrutura de 420,9 m² de área disponíveis para a alocação desses volumes

O terminal de logística de carga do Aeroporto de Goiânia está intensificando suas atividades de fidelização de empresas para operação no complexo, com ênfase no ramo farmacêutico. A atividade busca aproveitar a vocação do Teca para a movimentação de cargas fármaco-químicas, responsáveis por 59,5% da movimentação de volumes do complexo. Na relação dos 100 maiores importadores do complexo, 34 deles são do ramo farmacêutico-hospitalar, sendo que 16 dessas empresas têm acordos de fidelização com a Infraero. Para atender à demanda do setor, o terminal de cargas do Santa Genoveva conta com uma moderna estrutura de 420,9 m² de área disponíveis somente para a alocação desses volumes. O espaço inclui duas antecâmaras com temperaturas entre 16 e 22° C, três câmaras frigoríficas com temperatura entre 2 e 8° C, uma câmara fria com temperatura de -20° C e dois contêineres refrigerados utilizados para cargas específicas, com temperaturas que podem variar de 30 até -40° C. As temperaturas desses espaços podem ser ajustadas de acordo com a necessidade da carga, dando ao complexo logístico condições ideais para atender a condições especiais de temperatura. Para garantir um controle ainda mais rígido das boas condições de armazenamento dessas cargas, o Teca de Goiânia disponibiliza também um sistema de monitoramento de temperatura e umidade relativa em suas áreas.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn