A evolução da operação de helicópteros na FAB

Aeronaves mais modernas trazem novas possibilidades de atuação

Oito unidades da Força Aérea Brasileira operam helicópteros em todo o Brasil, aeronaves responsáveis por salvar vidas e também, realizar missões como defesa de áreas estratégicas e transporte aerologístico, dentre outras. Esses esquadrões compõem a chamada Aviação de Asas Rotativas, homenageada nesta semana para lembrar as diversas missões reais desenvolvidas por seus militares. É uma história que começou em 1953, quando entraram em operação três H-13D, os primeiros helicópteros da FAB. De lá para cá, muitas mudanças ocorreram. Entre os helicópteros já utilizados, estão o Bell UH-1D, Bell Jet Ranger, CH-33 e H-34. Na última década, foram incorporados os H-60L Black Hawk, em Manaus e Santa Maria; o AH-2 Sabre, em Porto Velho; e o H-36 Caracal, em Belém. Ainda este ano e em 2016, os H-36 serão incorporados aos esquadrões do Rio de Janeiro e de Campo Grande, organizações que estão em preparação para o início das operações com essa aeronave. Os novos helicópteros, mais modernos e melhor equipados, trouxeram novas possibilidades de atuação. A aplicação de sistemas eletrônicos de última geração, voos com óculos de visão noturna (NVG), novas capacidades de emprego armado, sistemas de autodefesa e uma infinidade de sensores de consciência situacional elevaram as capacidades de emprego dessa aviação na Força Aérea Brasileira. Mais informações no portal www.fab.mil.br.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn