Estreia em combate da dupla Typhoon e Storm Shadow

Depois que o complexo das cavernas foi identificado pelas forças iraquianas como sendo usado por um número significativo de terroristas do Daesh, pela primeira vez dois Typhoon FGR.Mk 4 da RAF foram encarregados de realizar ataques em apoio às forças terrestres do Serviço de Contra-Terrorismo do Iraque (CTS). O CTS supervisionou a área antes do ataque para confirmar que não havia civis em risco, e os pilotos do Typhoon exerceram “o máximo cuidado ao verificar se não havia sinais de civis na área antes de conduzir os ataques”. Após a missão Storm Shadow, a vigilância revelou que as "armas foram confirmadas por terem atingido seus alvos com precisão".

A missão foi o primeiro de vários ataques contra o Daesh na mesma semana. Em 11 de março, os Typhoon conduziram novos ataques contra dois locais adicionais, usando seis bombas guiadas por laser / GPS Paveway IV. Em 12 de março, os jatos atingiram outro grupo de cavernas usadas pelo Daesh, usando oito bombas Paveway IV, e dois dias depois atacaram cavernas mantidas pelo Daesh na mesma área montanhosa remota do norte do Iraque, derrubando seis Paveway IV.

As operações atuais visam evitar que o Daesh restabeleça sua presença no país. As cavernas perto de Erbil foram avaliadas como alvos particularmente difíceis e o míssil Storm Shadow foi selecionado como a arma mais apropriada para a tarefa.

A arma é programada antes do lançamento e seu alvo não pode ser alterado durante o vôo. O míssil navega em sua abordagem de forma semi-autônoma, guiado por GPS e mapeamento de terreno, enquanto evita defesas conhecidas. Perto do alvo, o míssil sobe, identifica o alvo com sua câmera termográfica de alta resolução, antes de mergulhar. Se o alvo não puder ser identificado e houver um alto risco de danos colaterais, o míssil voará para um ponto de colisão pré-planejado.

Foto: Divulgação

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn