Airbus adota uso de biocombustível sustentável em operações do jato Beluga ST

Matéria-prima é proveniente de óleo de cozinha reciclado e produzido nas proximidades da Finlândia para reduzir o impacto no transporte

Uma nova geração de combustível de aviação sustentável está sendo produzida com materiais reciclados, como óleo de cozinha ou lixo municipal. Em comparação com os combustíveis fósseis, eles podem reduzir as emissões de CO2 em 80%. A inovação tecnológica mudou muitos aspectos da aviação nas últimas décadas, melhorando significativamente a sustentabilidade do voo. Hoje, as aeronaves emitem 80% menos emissões de CO2 por assento-quilômetro do que há 50 anos. Apesar do progresso da indústria, um elemento crucial da aviação permaneceu relativamente inalterado, o combustível de aeronave fóssil. Tecnologias de propulsão alternativas mais limpas, como elétrica e híbrida-elétrica, estão em desenvolvimento, mas é improvável que estejam comercialmente disponíveis até a década de 2030. Com o tráfego aéreo dobrando nos próximos 20 anos, são necessárias soluções mais imediatas. O combustível da aviação sustentável pode ajudar. Em vez de ser refinado a partir do petróleo como o tradicional, o SAF é fabricado com matérias-primas sustentáveis ​​e renováveis. Testado pela primeira vez em 2008, foi inicialmente produzido a partir de fontes biogênicas como cana ou milho. Agora, uma segunda geração de combustíveis sustentáveis ​​abordou essas questões. Os produtos mais recentes são feitos de fontes não-biogênicas, como lixo municipal, óleo de cozinha usado ou resíduos agrícolas, sem ter um impacto negativo no uso da terra ou no abastecimento de água. Como suas características químicas e físicas são quase idênticas às do combustível de aviação convencional, os dois podem ser misturados com segurança. Nem a infraestrutura de suprimento nem a própria aeronave exigem qualquer adaptação. Essa flexibilidade já permitiu o uso em mais de 200.000 voos. A SAF é uma parte importante do caminho da aviação rumo a voos mais sustentáveis. Em combinação com outras iniciativas, como novos materiais e gerenciamento aprimorado do tráfego aéreo, pode ajudar o setor a atingir suas metas de descarbonização. A Airbus reconhece a importância de impulsionar o uso e decidiu introduzir o SAF para voos de transporte de Hamburgo com seu jato cargueiro Beluga ST. A matéria-prima é proveniente de óleo de cozinha reciclado e o combustível é produzido nas proximidades da Finlândia para reduzir o impacto no transporte. Espera-se reduzir as emissões de CO2 em cerca de 120 toneladas durante o mês de dezembro e já a partir de janeiro, o novo BelugaXL também voará com o SAF em rotas selecionadas. Mais informações em www.airbus.com. 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn