ANAC publica requisitos para gerenciamento de fadiga humana na aviação

Regulamento normatiza monitoramento que entrará em vigor com a nova Lei do Aeronauta

Foi publicado no Diário Oficial da União o Regulamento Brasileiro de Aviação Civil (RBAC) nº 117, intitulado “Requisitos para Gerenciamento de Risco de Fadiga Humana”. O normativo da Agência Nacional de Aviação Civil consiste na regulamentação da nova Lei do Aeronauta (Lei nº 13.475/2017), que vigerá a partir de fevereiro de 2020, proporcionando flexibilidade de jornada, com mais oportunidades de trabalho para tripulantes (pilotos e comissários), e competitividade em voos internacionais para empresas áreas brasileiras. A norma da ANAC adota as melhores práticas internacionais da aviação civil ao alinhar o Brasil aos requisitos previstos pelo Anexo 6 da Organização da Aviação Civil Internacional (OACI). Países da Europa, Estados Unidos e Austrália já aderiram às regras que estabelecem, entre outras premissas, padrões para segurança operacional e monitoramento das empresas quanto à adoção do sistema de gerenciamento de fadiga humana. Com a regulamentação, tripulantes brasileiros poderão vir a atuar em voos internacionais de longo curso nos quais estão atualmente impedidos de atuar pela legislação em vigor. A flexibilidade da jornada permitirá também que as empresas brasileiras possam lidar com contingências decorrentes de alterações de escalas, possibilitando uma melhor gestão da malha aérea e a redução de custos. No Brasil, o RBAC nº 117 estabelece os requisitos gerais a serem cumpridos por empresas aéreas e tripulantes em relação à jornada de trabalho desses profissionais e, a exemplo do que já é praticado internacionalmente, prevê regras para gerenciamento da fadiga e do risco de fadiga. O regulamento da ANAC normatiza o Sistema de Gerenciamento de Risco de Fadiga Humana (SGRF), cuja implantação e atualização serão acompanhadas por sindicatos das categorias envolvidas. De acordo com a Lei nº 13.475/2017, o SGRF deve compreender “quaisquer prescrições temporais relativas aos tripulantes de voo e de cabine no que tange a limites de voo, de pouso, de jornada de trabalho, de sobreaviso, de reserva e de períodos de repouso, bem como a outros fatores que possam reduzir o estado de alerta da tripulação ou comprometer o seu desempenho operacional”. A partir de fevereiro de 2020, as empresas aéreas poderão adotar níveis distintos de gerenciamento da fadiga humana de seus tripulantes, a depender do interesse na realização de voos de longo curso ou utilização dos benefícios da melhor gestão dos recursos humanos conforme os novos parâmetros. Mais informações no portal www.anac.gov.br.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn