Boeing anuncia números do primeiro trimestre do ano

Receita atingiu a US$ 16,9 bilhões e a empresa registrou um fluxo de caixa operacional de US$ 4,3 bilhões

A fabricante norte-americana Boeing registrou uma receita no primeiro trimestre de 2020 que atingiu a US$ 16,9 bilhões, perda por ação GAAP de US$ 1,11 e perda por ação principal não-GAAP de US$ 1,70, refletindo principalmente os impactos do COVID-19 e o aterramento do 737 MAX. A empresa registrou um fluxo de caixa operacional de US$ 4,3 bilhões. À medida que a pandemia continua a reduzir o tráfego de passageiros das companhias aéreas, a companhia vê um impacto significativo na demanda por novos aviões e serviços comerciais, com as transportadoras atrasando as compras de novos modelos, diminuindo o cronograma de entrega e adiando a manutenção eletiva. Para alinhar os negócios à nova realidade do mercado, a Boeing está tomando várias ações que incluem a redução das taxas de produção de aviões comerciais. A empresa também anunciou uma reestruturação organizacional e de liderança para otimizar papéis e responsabilidades e planeja reduzir os níveis gerais de pessoal com um programa de demissão voluntário e ações adicionais da força de trabalho, conforme necessário. A Boeing também tomou medidas para gerenciar a liquidez no curto prazo com custos operacionais reduzidos e gastos discricionários, prorrogou a pausa existente na recompra de ações e dividendos suspensos até novo aviso, pesquisa e desenvolvimento reduzidos ou diferidos e dispêndios de capital e eliminou o pagamento de CEO e Chairman pelo ano. O acesso a liquidez adicional será fundamental para que a empresa e o setor de fabricação aeroespacial façam uma ponte para a recuperação e a Boeing está explorando ativamente todas as opções disponíveis. A receita do primeiro trimestre de aviões comerciais foi de US$ 6,2 bilhões. A margem operacional do primeiro trimestre caiu devido ao menor volume de entrega e US$ 797 milhões em custos de produção anormais devido a suspensão temporária da produção do 737 MAX, uma cobrança de US$ 336 milhões relacionada aos custos de reparo de componente de montagem dos 737 NG e US$ 137 milhões em custos de produção anormais da suspensão temporária das operações em Seattle  devido a pandemia. Para refletir os impactos da crise no ambiente de demanda, a produção de aeronaves 737 MAX será retomada com baixas taxas, à medida que o tempo e as condições de retorno ao serviço forem melhor compreendidos e aumentem gradualmente para 31 unidades/mês durante 2021, com aumentos graduais adicionais para corresponder a demanda de mercado. Os custos estimados de produção anormais da suspensão temporária da produção do modelo aumentaram em aproximadamente US$ 1 bilhão devido a premissas atualizadas da taxa de produção, elevando o total estimado para aproximadamente US$ 5 bilhões. A taxa de produção do 787 Dreamliner também será reduzida de 14 por mês para 10 exemplares/mês e gradualmente reduzida para sete por mês até 2022. A taxa de produção combinada do 777/777X será reduzida para três unidades/mês em 2021. Foram entregues 50 aviões comerciais durante o trimestre e a carteira de pedidos inclui mais de 5.000 aviões avaliados em US$ 352 bilhões. Mais informações no portal www.boeing.com.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn