British Airways planeja vender sua sede em Londres e aumentar o “home office”

 A companhia aérea British Airways, irmã da Iberia no International Airlines Group, pensa em vender a sua sede em Londres, perto do aeroporto de Heathrow, para abastecer de dinheiro, aproveitando o fato de muitos dos seus colaboradores adoptarem o “home office” devido à pandemia.

Cerca de 2.000 funcionários trabalham no enorme complexo da British Airways em Waterside.

Muitas empresas, incluindo os grandes bancos britânicos e a gigante do petróleo BP, transformaram sua organização para usar o “home office” desde o início da pandemia.

Isso permite reduzir os custos imobiliários em um momento em que muitos setores, especialmente os de ar e energia, têm sido fortemente afetados pelo impacto econômico do coronavírus.

O setor de aviação, em particular, está passando por uma crise histórica, com o tráfego aniquilado por medidas sanitárias, bloqueios e restrições de viagens.

O IAG, que também possui a Iberia e a Vueling, entre outras, sofreu uma perda recorde de US$ 8,2 bilhões em 2020.

O grupo tem lutado para cortar gastos para sobreviver à crise e cortar 10.000 empregos na British Airways, além de colocar muitos trabalhadores no desemprego técnico.

Foto: Divulgação

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn