Celera 500L, o avião executivo com excepcional eficiência de combustível

 O Celera 500L é um novo concorrente no mercado de aviões executivos e é o reprojeto mais radical de uma aeronave que vimos em muitas décadas. Não só parece futurista, mas também promete alcançar eficiência de combustível, alcance e custos operacionais que colocam seus concorrentes na sombra.

Idealizado por William Otto, fundador da empresa de investigação de acidentes de aviação Otto Laboratories, o Celera 500L é uma estranha aeronave semelhante a um dirigível, com capacidade para seis passageiros, que promete sacudir o mundo da aviação privada.

A Otto Aviation diz que a aeronave terá um longo alcance, cruzeiro rápido e custos operacionais mais baixos, abrindo as viagens em jatos executivos para um mercado mais amplo de passageiros. O corpo em forma de zepelim pode ser incomum de se olhar, mas o princípio da Celera é aproveitar ao máximo o fluxo laminar. Esta é a solução de arrasto mínimo para superfícies de aeronaves, criando camadas de fluxo de ar suaves com pouca ou nenhuma mistura ocorrendo. O design do corpo da Celera foi criado para otimizar a relação comprimento/largura e para maximizar o fluxo laminar.

O resultado final é uma redução de 59% no arrasto em comparação com uma aeronave tradicional de tamanho semelhante. A Otto Aviation diz que isso não terá uma boa escala para uma aeronave maior, então não espere nenhum avião comercial do tipo dirigível tão cedo. Mas para uma aeronave do tamanho do Celera, é a solução ideal, e com custos operacionais podem chegar a US$ 328 por hora, em comparação com os US$ 2.100 por hora de um avião a jato comparável.

Em termos de suas outras estatísticas, a Celera pode acompanhar a concorrência no mercado de jatos executivos e de passageiros. A velocidade do cruzeiro é projetada em mais de 740 km/h, com um alcance de 8.335 km. Embora leve apenas seis passageiros, eles podem descansar com conforto com uma altura de cabine de 1,85 m e um layout totalmente em classe executiva.

O motor é um Red A03, de seis cilindros V12 refrigerado a líquido. A certificação do motor já foi concedida pela EASA e pela FAA, incluindo a operação do Jet A1 e do biodiesel.

A empresa já realizou mais de 30 voos de teste com sucesso e tem como meta entrar em operação por volta de 2023 – 2025. Este ano, a Otto Aviation pretende iniciar o processo de Certificação FAA para a aeronave e criar sua carteira de pedidos inicial.

Foto: Divulgação

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn