Companhias aéreas enfrentam rápido gasto das reservas financeiras

IATA estima que as transportadoras podem queimar US$ 61 bilhões durante o segundo trimestre deste ano, enquanto registram uma perda líquida no período de US$ 39 bilhões

A Associação Internacional de Transporte Aéreo publicou nova análise mostrando que as companhias aéreas podem gastar US$ 61 bilhões das suas reservas de caixa durante o segundo trimestre deste ano, enquanto registram uma perda líquida no período de US$ 39 bilhões. Esta avaliação é baseada no impacto que a IATA divulgou na semana passada em um cenário em que restrições severas de viagens durarão três meses. Nessa condição, a demanda no ano inteiro cairá 38% e as receitas de passageiros US$ 252 bilhões em comparação a 2019. A queda na demanda seria mais profunda no segundo trimestre chegando 71%. O impacto será severo, impulsionado pela queda nas receitas de até 68%, menor do que a redução na demanda devido à continuação das operações de carga, embora com níveis reduzidos de atividade. Prevê-se que os custos variáveis caiam acentuadamente, cerca de 70% no segundo trimestre, em grande parte em linha com a redução de um corte esperado de 65% na capacidade do período. O preço do combustível para aviação também caiu drasticamente, embora a cobertura de querosene limitará o benefício a um declínio de 31%. Os custos fixos e semi-fixos representam quase metade do custo de uma companhia aérea. A IATA espera que estes custos semi-fixos, incluindo os da tripulação, sejam reduzidos em um terço. As transportadoras estão cortando o que podem, enquanto tentam preservar sua força de trabalho e negócios para a recuperação futura. Além dos custos inevitáveis, as empresas enfrentam o reembolso de bilhetes vendidos, mas não utilizados, como resultado de cancelamentos em massa resultantes de restrições impostas pelos governos. O passivo do segundo trimestre é de US$ 35 bilhões. Vários governos estão respondendo positivamente à necessidade da indústria de medidas de alívio. Entre os países que fornecem pacotes específicos de ajuda financeira ou regulatória para a indústria estão Colômbia, Estados Unidos, Cingapura, Austrália, China, Nova Zelândia e Noruega. Mais recentemente, o Canadá, a Colômbia e os Países Baixos relaxaram os regulamentos para permitir que as companhias ofereçam cupons de viagem aos passageiros no lugar de reembolsos. Mais informações no portal www.iata.org.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn