Conheça o SE200 – um novo widebody verde de 264 assentos

 

Um novo conceito de aeronave widebody foi revelado por uma startup do Alabama. A SE Aeronautics (a sigla SE significa Super Eficiente) reformulou todo o conceito de um avião comercial e revelou uma aeronave inovadora de três asas que, segundo eles, terá uma pegada de carbono 80% menor do que aviões tradicionais semelhantes.

Apesar do impacto do COVID na aviação, a sustentabilidade permanece na vanguarda do foco da indústria.

As aeronaves comerciais são praticamente as mesmas há cerca de seis décadas. Uma startup sediada no Alabama com o nome de SE Aeronautics acredita que é hora de repensar isso. Esta semana, revelou seu conceito de patente pendente para o widebody do futuro, que chama de SE200.

O SE200 promete um voo mais eficiente, menor custo de operação, maior segurança para os passageiros e uma vida útil que é o dobro de uma aeronave tradicional. Lloyd Weaver, engenheiro-chefe da SE Aeronautics, diz que a empresa considerou tudo no projeto desta aeronave, comentando, “nossa tecnologia inovadora e novo design de aeronave reduzirão o consumo de combustível em 70% e as emissões de CO2 em 80%, conforme medido por assento-quilômetro.”

“O design inovador é uma configuração mais eficiente e leve de três asas que melhora muito a sustentação sobre o arrasto, resultando em capacidades de decolagem e pouso curtas (STOL) e voos extremamente longos. A construção é toda composta, moldada em uma peça resistente e mais segura. Também incorporamos asas super finas e longas e alongamento completo do nariz à cauda”, completou Weaver.

O princípio da aeronave está embutido não apenas em seu design incomum de três asas, mas também em sua construção. Em vez de ser fabricado a partir de painéis aparafusados, o SE200 apresenta um design monocoque, o que significa que é moldado a partir de uma única peça de compósito. Isso, diz a empresa, reduzirá a fadiga e tornará a aeronave mais segura para os passageiros.

As asas superfinas não são mais tanques de combustível. O combustível é armazenado em uma bexiga no topo da fuselagem. Isso, diz a empresa, tornará o avião capaz de flutuar por longos períodos em caso de pouso de emergência na água.

A propulsão será fornecida por dois motores supereficientes montados na parte traseira, que, segundo a empresa, proporcionarão um empuxo de 285 kN, e o alcance será de 19.500 km, transportando 265 passageiros.

Isso lhe dá pernas mais longas do que as famílias A330neo e 787 e quase o leva tão longe quanto o A350ULR. Mas essas coisas são suficientes para realmente permitir que um redesenho tão radical concorra com a Boeing e a Airbus?

Foto: Divulgação

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn