Embraer

Metade do valor será obtido junto ao BNDES e o resto por um consórcio de bancos privados e públicos

A fabricante brasileira Embraer confirmou ao mercado que como parte de sua diligente gestão de endividamento e liquidez, finalizou os termos dos contratos de capital de giro e financiamento à exportação de um total de até US$ 600 milhões, com até quatro anos até o vencimento. Um montante de até US$ 300 milhões será financiado pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e o valor restante de até US$ 300 milhões virá de bancos privados e públicos. Essas linhas financeiras de capital de giro, geralmente disponíveis para empresas exportadoras, reforçarão ainda mais a posição de caixa da empresa, garantindo recursos desde a fase de produção até o momento do embarque do produto para o mercado de exportação. Esse tipo de operação é exclusivamente de dívida e não altera a estrutura acionária da Embraer. A fabricante continuará avaliando formas adicionais de financiamento, a fim de manter um perfil de endividamento de longo prazo propício ao seu ciclo de negócios.