Embraer projeta demanda de 1.390 novos jatos comerciais com até 150 assentos na China

Fabricante acredita que as companhias aéreas vão investir mais nos mercados secundários e terciários com abundantes fontes de aviação

A fabricante brasileira Embraer divulgou durante a 12ª China International Aviation & Aerospace Exhibition, a mais recente previsão para o mercado chinês de aviação comercial. A empresa prevê que o mercado local irá demandar 1.390 novos jatos com até 150 assentos nos próximos 20 anos (avaliados em USD 82 bilhões). Nas últimas décadas, a China introduziu uma série de políticas favoráveis ​​para apoiar o crescimento do tráfego aéreo e alcançou grande sucesso na construção de aeroportos. De acordo com o plano da CAAC, autoridade de aviação do país, mais de 50 novos terminais serão construídos durante o 13º Plano Quinquenal. Até 2035, outros 140 aeroportos serão construídos, sendo a maioria para a aviação regional. Com a ampliação, o mercado exigirá mais aeronaves regionais com um número adequado de assentos para desenvolver novas rotas. Ao mesmo tempo, os dados mostram que os 30 principais aeroportos da China movimentam quase 80% do total de passageiros, o que resulta na capacidade saturada e na escassez de “slots” em aeroportos centrais. Portanto, a Embraer acredita que as companhias aéreas vão investir mais nos mercados secundários e terciários com abundantes fontes de aviação. Para atender à crescente demanda por viagens, a Embraer lançou os E-Jets E2, a mais nova geração de jatos. Até o momento, o programa registrou mais de 270 pedidos, dos quais mais de 130 são firmes. Na China, a Embraer registrou 22 compromissos para as novas versões. 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn