Estacionamento da frota é o novo problema das companhias aéreas

Quase 10.500 aeronaves representando 40% do global, já estão mantidas em solo e esse número provavelmente aumentará segundo a IATA

Segundo a Associação Internacional de Transporte Aéreo, 98% das rotas que geram receita em todo o mundo agora estão sujeitas a restrições de viagem severas, incluindo fechamentos de fronteiras, proibições parciais de viagens e medidas de quarentena. Na Europa, a capacidade de assentos deve ser reduzida em 90% no segundo trimestre de 2020. A capacidade no Oriente Médio deve cair 80%, enquanto os Estados Unidos e a Ásia sofrerão uma queda de 50%, de acordo com os últimos dados da IATA. Quase 10.500 aeronaves, representando 40% da frota global, já estão mantidas em solo e esse número provavelmente aumentará. Com o número sem precedentes de aparelhos aterrados globalmente, a questão é onde colocá-las. Naturalmente, as companhias aéreas estão tentando manter os aviões perto de suas bases de manutenção, áreas terminais e em alguns casos, até pistas estão sendo utilizadas em aeroportos em todo o mundo para essa finalidade. Uma vez tomada a decisão, muito resta a ser feito. Depende muito de quanto tempo o avião provavelmente será aterrado, de alguns dias em que é necessária pouca manutenção a alguns meses e mais tempo em que a preservação da aeronave se torna necessária. As cabines devem ser limpas antes de serem seladas para segurança, os tanques de combustível e as tubulações de óleo drenados e talvez substituídos por outros líquidos e as superfícies cromadas expostas devem ser protegidas contra corrosão. O processo de preservação varia de acordo com o período em que a aeronave provavelmente ficará fora de serviço. Além disso, há manutenção semanal se o avião estiver aterrado por um ou dois meses: verificações e testes regulares de aviônicos, hidráulicos e outros sistemas operacionais, além de manter a cabine higienizada e seca. Os fabricantes fornecem manuais de manutenção exatamente sobre o que precisa ser feito e quando. Em alguns casos, os motores devem ser girados para aliviar a pressão nos rolamentos e as rodas movidas para proteger os pneus. Os custos de estacionamento também devem ser considerados. Alguns aeroportos, incluindo Heathrow e Charles de Gaulle Paris, estão isentos de taxas, mas muitos outros não. A IATA contatou ministros de transporte de todo o mundo solicitando que os aeroportos ajudem as empresas aéreas sem dinheiro cortando as taxas de estacionamento. Em outros lugares, espera-se que as aeronaves mais antigas sejam aposentadas mais cedo e enviadas para cemitérios nos Estados Unidos e na Europa para armazenamento ou sucata a longo prazo. As empresas American e a Delta estão considerando adiantar seus planos de aposentar jatos MD-80 e MD-90 e alguns Boeing 757 e 767, e a KLM antecipou a aposentadoria de sua frota restante do Boeing 747-400. Outras transportadoras estão adotando uma estratégia de rotacionar suas aeronaves para mantê-las em condições de voar. No entanto, quanto mais os aviões permanecerem no chão, geralmente mais tempo será necessário para prepará-las para o retorno ao serviço. 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn