IATA afirma que 25 milhões de empregos estão em risco na aviação com a queda na demanda

Globalmente, os meios de subsistência de cerca de 65,5 milhões de pessoas dependem da indústria da aviação, incluindo setores como viagens e turismo

A Associação Internacional de Transporte Aéreo divulgou novas análises mostrando que milhões de empregos correm o risco de desaparecer com a queda na demanda por viagens aéreas em meio à crise do COVID-19. Globalmente, os meios de subsistência de cerca de 65,5 milhões de pessoas dependem da indústria da aviação, incluindo setores como viagens e turismo. Entre estes, 2,7 milhões de empregos em companhias aéreas. Em um cenário de severas restrições de viagens com duração de três meses, a pesquisa da IATA calcula que 25 milhões de empregos na aviação e setores relacionados estão em perigo em todo o mundo. No mesmo cenário, espera-se que as companhias aéreas vejam que as receitas de passageiros no ano inteiro caiam US$ 252 bilhões (-44%) em 2020 em comparação ao ano anterior. O segundo trimestre será o mais crítico, com a demanda caindo 70% no seu pior momento e as empresas aéreas queimando US$ 61 bilhões em dinheiro. As transportadoras estão pedindo aos governos que forneçam ajuda financeira imediata para ajudar a permanecerem viáveis, capazes de liderar a recuperação quando a pandemia estiver contida. Especificamente, a IATA pede suporte financeiro direto, empréstimos, garantias e suporte ao mercado de títulos corporativos, além de isenção fiscal. Além de um alívio financeiro vital, o setor também precisará de um planejamento e coordenação cuidadosos para garantir que as companhias aéreas estejam prontas quando a pandemia for contida. A IATA está adotando uma abordagem abrangente para reinicializar o setor quando os governos e as autoridades de saúde pública o permitem. Uma abordagem com várias partes interessadas será essencial. Um passo inicial é uma série de reuniões virtuais ou cúpulas, em uma base regional, reunindo governos e partes interessadas do setor.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn