IATA

Organizações estão pedindo aos governos que facilitem a flexibilidade que as companhias aéreas precisam para atender a essa demanda crítica

A Associação Internacional de Transporte Aéreo e a União Postal Universal alertaram que a capacidade aérea de serviços postais é insuficiente e instaram os governos a fazer mais para apoiar o movimento do correio aéreo durante a crise do COVID-19. Devido à drástica redução de 95% nos voos de passageiros, que normalmente são usados ​​para transportar correio e um aumento de 25 a 30% na demanda por comércio eletrônico, à medida que clientes e empresas recorrem à compra online em resposta a restrições de distanciamento social, as administrações postais são enfrentando um desafio no envio e entrega de correio, em particular intercontinental. A IATA e a UPU estão pedindo aos governos que facilitem a flexibilidade que as companhias aéreas precisam para atender a essa demanda crítica, removendo os bloqueios de fronteira para garantir a continuidade dos fluxos comerciais, evitando regulamentações desnecessárias e acompanhando rapidamente a emissão de licenças para operações fretadas. Além disso, é essencial garantir a disponibilidade de pessoal treinado para processar e limpar as correspondências na chegada. As organizações também estão trabalhando para apoiar o uso de voos de carga por parte dos postos, além de voos comerciais de passageiros, fornecendo informações sobre as empresas aéreas e o status da transportadora de carga, disponibilizando novas rotas alternativas e melhores práticas. Os governos do G20, em suas recentes reuniões de emergência, se comprometeram a minimizar interrupções no comércio e nas cadeias de suprimentos globais e identificaram a necessidade de priorizar a manutenção das redes de logística aérea abertas e funcionando eficientemente. Correios e companhias aéreas estão cooperando para atender a essa prioridade, garantindo que operações confiáveis ​​continuem durante toda a pandemia.