Jato Embraer E190-E2 “Shark” começa turnê de demonstração na Europa

Aeronave visitará mais de 15 países em setembro com a primeira parada em Varsóvia, na Polônia

Após passagens bem-sucedidas na África e nos EUA, a fabricante brasileira Embraer está iniciando a parte europeia e na Comunidade dos Estados Independentes (CEI) da turnê mundial de demonstração do jato E190-E2. A aeronave visitará mais de 15 países em setembro com a primeira parada em Varsóvia, na Polônia. O modelo está em operação comercial desde abril deste ano com a companhia aérea norueguesa Widerøe. Três jatos já acumularam aproximadamente 2 mil horas de voo, alcançando um índice de confiabilidade de mais de 99%. Os E-Jets E2 são os aviões mais eficientes no mercado de aeronaves de corredor-único, com consumo de combustível 10% menor que seu concorrente direto. O E190-E2 oferece ainda mais flexibilidade, com alcance máximo de até 5.300 km, cerca de 1.000 km a mais do que a geração atual E190. O modelo também oferece economias significativas para as companhias aéreas em termos de custos de manutenção, com redução de até 25% devido a um design inteligente baseado na experiência direta dos operadores. A aeronave possui os maiores intervalos de manutenção, com 10.000 horas de voo para verificações básicas e nenhum limite de calendário na utilização típica de E-Jets, o que significa 15 dias adicionais de utilização de aeronaves em um período de dez anos. O E190-E2 também obteve melhores resultados do que as expectativas iniciais no tempo de treinamento para transição de pilotos. Os profissionais da geração atual de E-Jets precisam de apenas 2,5 dias de treinamento e nenhum simulador de voo completo para pilotar o E2. A Embraer estima que 2.820 aeronaves comerciais com até 150 assentos serão entregues nos próximos 20 anos para as companhias aéreas europeias e da CEI. A Embraer estima que 2.820 aeronaves comerciais com até 150 assentos serão entregues nos próximos 20 anos para as companhias aéreas europeias e da CEI. À medida que o setor aéreo europeu evolui de uma dinâmica de modelo de negócios de “companhias aéreas de baixo custo (LCC) versus operadoras aéreas de serviço completo (FSC)” para um único modelo híbrido, os E-Jets E2 terão um papel cada vez mais importante na região. Além da tradicional operação de alimentação do hub, o modelo terá um maior alcance nas companhias aéreas de baixo custo experimentando estratégias de FSC, como multi-frota e foco nos passageiros de negócios. Enquanto isso, o modelo de negócios regional também está passando por uma diversificação. O modelo de locação ACMI (que significa Avião, Tripulação, Manutenção e Seguros) surge como uma oportunidade importante para terceirizar rotas de baixa densidade para operadores regionais com base de custo menor, permitindo que as principais transportadoras aéreas coloquem aviões mais eficientes para atender rotas menos densas sem aumentar a complexidade das operações.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn