Mercado doméstico da China emite sinais de recuperação

País onde começou o surto do COVID-19 está registrando aumento nas operações aéreas de passageiros

Os passageiros domésticos da China estão começando a voltar a voar, segundo dados da Associação Internacional de Transporte Aéreo, o que pode ser o ponto de virada na segunda maior economia do mundo. Desde 23 de janeiro, quando a cidade de Wuhan foi fechada pelas autoridades, o setor de aviação da China vem enfrentando o maior colapso de sua história, com redução de cerca de 80% entre o fim de janeiro e meados de março, segundo dados da IATA. Quase 500.000 voos domésticos e internacionais de e para a China foram cancelados. Mas agora, o número de passageiros nacionais no país tem mostrado sinais de uma possível recuperação. Os índices de ocupação que atingiram uma baixa de 40% nas operações fortemente reduzidas durante o bloqueio das principais áreas da China em fevereiro, agora subiram para 60% e mais voos estão ocorrendo. Entretanto, os sinais de recuperação ainda estão claramente confinados ao mercado interno, já que internacionalmente, a China impôs restrições ainda mais rígidas aos voos. Desde o último dia 29 de março, as transportadoras do país tem permissão de realizar apenas um voo por semana para qualquer país com o fator de ocupação limitado a 75% dos assentos. De acordo com estudo da IATA, dentro de três anos se as novas condições permitirem, será o maior mercado do mundo, transportando cerca de 1,3 bilhão de viajantes por ano, ultrapassando os Estados Unidos. Mais informações no portal www.iata.org.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn