Pandemia coloca em risco mais da metade das receitas de passageiros em 2020

IATA estima perdas de US$ 314 bilhões, um declínio de 55% em relação ao ano anterior

A Associação Internacional de Transporte Aéreo divulgou análises atualizadas mostrando que a crise do COVID-19 fará com que as receitas de passageiros das companhias aéreas caiam US$ 314 bilhões em 2020, um declínio de 55% em relação ao ano anterior. Em março, a IATA havia estimado US$ 252 bilhões em receitas perdidas em um cenário com severas restrições de viagem com duração de três meses. Os números atualizados refletem um aprofundamento significativo da crise desde então e refletem as restrições domésticas graves com duração de três meses, algumas restrições às viagens internacionais que se estendem além dos três meses iniciais e impacto severo em todo o mundo, incluindo a África e a América Latina, que tiveram uma pequena presença da doença e que deveriam ter menos reflexos na análise de março. Espera-se que a demanda de passageiros em todo o ano diminua 48% em comparação a 2019. A IATA prevê que o choque econômico da crise seja mais severo no segundo trimestre, quando o PIB deverá diminuir em 6% e a demanda de passageiros seguir de perto a progressão do PIB. O impacto da redução da atividade econômica no segundo trimestre resultaria em uma queda de 8% na demanda de viajantes no terceiro trimestre. As restrições aprofundarão o reflexo da recessão sobre a demanda por viagens no segundo trimestre. No início de abril, o número de voos no mundo caiu 80% em comparação ao ano anterior, em grande parte devido a severas restrições de viagens impostas pelos governos para combater a propagação do vírus. Os mercados domésticos ainda podem ver o início de uma retomada da demanda a partir do terceiro trimestre, em um primeiro estágio de suspensão das restrições. Os mercados internacionais, no entanto, serão mais lentos para retomar, pois parece provável que os governos reterão essas restrições de viagem por mais tempo.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn